top of page
  • Equipe Joice Peruzzi

Cachorródromo: ir ou não ir? Eis a questão.

A ideia de um espaço seguro onde cães podem interagir livremente com outros é incrível, mas regras devem ser respeitadas para garantir o conforto de todos.


É fundamental conhecer nosso cão para entender com que cães ele vai se relacionar bem e também observar os cães que já estão no espaço para entender se nosso cão vai lidar bem com essa entrada no grupo.


Para a maioria dos nossos pacientes, não recomendamos idas a cachorródromos em dias com muitos cães: são animais com dificuldade de comunicação ou histórico de traumas e uma exposição inadequada pode agravar os quadros.

Aliás, começamos por isso: nem todo cão vai se beneficiar da interação em cachorródromos e cães não precisam interagir com todos os cães do mundo, inclusive quanto mais velhos ficam, mais seletivos em relação a interação com outros cães.


Separamos aqui 5 características que servem de sinal de alerta: seu cão não deve frequentar ou deve frequentar somente em dias muito específicos o cachorródromo.


  1. Cães que protegem recursos/tutores: os que não permitem que outros cães ou pessoas se aproximem do tutor ou roubam brinquedos/pegam gravetos e reagem quando um cão se aproxima desses itens.

  2. Cães com medo de outros cães: muito cuidado na exposição, você, tutor, é o porto seguro do seu cão e deve saber avaliar se ele está desconfortável. Cães não "se resolvem" sozinhos, aliás, muitas vezes o "se resolver" sozinho gera agressão, medo e traumas que podem permanecer para a vida toda.

  3. Cães que não se comunicam bem: os que não entendem os limites que os outros tentam impor ou são impulsivos e tendem a manifestar a insatisfação com poucos/nenhum sinal de desconforto, partindo direto para sinais agressivos.

  4. Cães que atrapalham a brincadeira dos outros: os que se intrometem na brincadeira dos outros, latem ao redor, espreitam e perseguem os que estão correndo. Além de ser péssimo para os outros cães, não são comportamentos que queremos incentivar, né?

  5. Cães que avançam nos que entram/nos que passam pela área externa: da mesma forma, é péssimo para o cão que está passando/entrando e não é um comportamento que deve ser incentivado.

Observar o tempo todo (nada de ficar no celular) e perceber sinais de desconforto do seu cão é fundamental para saber quando ele precisa de ajuda: seja para chamá-lo, sair do cachorródromo ou interromper uma brincadeira. Você tem dificuldade de identificar esses sinais? Nosso ebook tem o conhecimento básico sobre comunicação canina!

17 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Crianças e pets: construindo uma relação saudável

Em diferentes países, as estatísticas sobre mordedura de cães variam, mas em praticamente todos eles a busca por serviços médicos após mordedura é mais frequente em crianças. Para mudar essa realidade

Comments


bottom of page