top of page
  • Equipe Joice Peruzzi

Por que os gatos esfregam as bochechas?

Esfregar as bochechas em objetos ou em pessoas/outros animais, além de ser uma postura afiliativa (que demonstra relaxamento ou querer a aproximação do outro), também é uma forma de comunicação olfativa e por feromônios.


Ao se esfregar e deixar seu próprio odor, o gato reforça o pertencimento àquele ambiente ou a familiaridade daquela pessoa/animal. E os feromônios produzidos na região das bochechas e queixo, base das orelhas, lateral do corpo e base da cauda depositados nesse momento são feromônios indicadores de estado emocional positivo, mostrando que aquele ambiente ou aquela pessoa/animal é seguro para o gato.


É uma marcação territorial, mas diferente do que muitos pensam, o gato não quer dizer que aquilo ou aquela pessoa “são dele”, mas sim que se sente confortável.


Gatinho se esfregando = gatinho feliz!


E nada de sair limpando as áreas onde ele se esfrega, ok? Ele precisa dessa indicação de familiaridade para se sentir confortável! Afinal, as marquinhas que os gatos acabam deixando ao se esfregarem (normalmente as bochechinhas) em quinas de objetos, móveis e das próprias paredes, são marcações que auxiliam o animal a identificar o seu território seguro. Ali naquela marquinha, além de termos uma dica visual e olfativa, também são depositados feromônios faciais, que são sinais químicos que transmitem ao cérebro do gatinho uma sensação de conforto e bem-estar.

O melhor a se fazer é assumir as marquinhas nestes locais e, inclusive, instalar alguns objetos que podem auxiliar o gatinho a este fim, como escovinhas. Caso vá limpar a marquinha por algum motivo, evite retirar todas as marcações de uma vez, para que o gato não perca seu referencial de segurança no ambiente.

5 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Crianças e pets: construindo uma relação saudável

Em diferentes países, as estatísticas sobre mordedura de cães variam, mas em praticamente todos eles a busca por serviços médicos após mordedura é mais frequente em crianças. Para mudar essa realidade

Comments


bottom of page